Atualmente é comum no cotidiano, ouvirmos as pessoas cada vez mais queixarem-se que estão ansiosas ou estressadas. O que nos leva a pensar que ansiedade e estresse sempre são fenômenos maléficos ao ser humano. Trata-se de um grande equívoco pensar assim.

Ansiedade num primeiro momento tem a função de nos preparar para o enfrentamento do novo, ou seja, primordialmente nos prepara para a luta ou fuga. E graças a essa ação, é que a espécie humana conseguiu sobreviver às inúmeras ameaças no decorrer de sua evolução.

Mas o que acontece em nosso corpo quando estamos ansiosos?

Três substâncias importantes estão envolvidas, são elas: Cortisol, Adrenalina e Noroadrelina. De uma maneira geral essas substâncias, vão atuar da seguinte forma: Ao soar nosso alarme de perigo pelo córtex cingulado anterior e pela amígdala (que não é a mesma que temos na garganta), nosso cérebro é colocado a postos para a ação. O lócus coerulus, responde ao alarme despejando noroadrenalina sobre ás várias regiões do cérebro, fazendo que fiquemos mais atentos e alerta aos acontecimentos, aumentando também a capacidade de processamento do córtex. Com essa ação, passamos a registrar com mais rapidez tudo o que acontece, ficamos com mais agilidade de pensamento e nos lembramos melhor dos eventos. Em contrapartida, a adrenalina deixa o corpo pronto para agir. Ficamos com os músculos cheios de energia, o coração acelerado e o cérebro alerta, fazendo-nos experimentar uma sensação de força e capacidade aumentada. O cortisol por sua vez, ao ser liberado no sangue, contribui igualmente para deixar o cérebro a postos, além de reforças as respostas corporais da adrenalina e ao entrar no cérebro intensificará a ação da noroadrenalina.

Em suma, a ação equilibrada destas substâncias gera uma ansiedade saudável. Inclusive, após experimentarmos as ações das substâncias acima citadas, outras substâncias entram ação – as endorfinas, que tem uma ação analgésica natural.

Então, o lado maléfico da ansiedade, aparece quando essa se torna em excesso. As substâncias que num primeiro momento tinham a função de nos deixar mais alertas, capazes de nos orientar melhor no ambiente, lidar melhor com os acontecimentos de maneira rápida, passam a exercerem um efeito contrário ao inicial. A noroadrenalina em excesso, passa a perturbar o processamento neuronal, provocando confusão mental e dificultando as tomadas de decisões, além de prejudicar a memória. Encontramos aqui a explicação para os famosos “brancos”, que com certeza muitos de nós infelizmente já experimentamos, quando não nos lembramos daquela resposta de um exame ou prova por exemplo.

É importante salientar que a exposição do organismo constante a níveis de ansiedade elevada, é capaz de provocar danos ao coração, causando elevação da pressão arterial e arritimias. E essa exposição desmedida a níveis elevados de ansiedade, têm sido motivos de causa de infartos cardíacos e cerebrais.

Diante disso, o grande desafio é aprendermos a administramos nossa ansiedade para que possamos aproveitar melhor seus benefícios, ou seja, pensar mais rápido, tendo mais agilidade diante de situações que nos exige um melhor desempenho.
A essa altura você já deve estar esperando, que eu lhe dê algumas dicas de como administrar melhor sua ansiedade, não é?

Pois é, esse assunto ficará para uma próxima matéria que publicarei em breve, até lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *